Exames Nacionais: básico com médias positivas, secundário fica aquém

exames nacionais

As notas das principais disciplinas do ensino secundário não conseguiram alcançar uma média positiva

Foram hoje divulgados os resultados dos exames nacionais realizados em junho pelos alunos do ensino básico e secundário. Os estreantes do sexto ano saíram-se bem, os alunos do nono ano alcançaram positivas, já os alunos finalistas do secundário não foram além de médias negativas nas principais provas. De acordo com o Ministério da Educação, este ano foram feitas 362.414 inscrições para os exames do secundário, um total de 324.048 provas, o que corresponde a cerca de 90 por cento das inscrições.

Os alunos do sexto ano realizaram pela primeira vez exames nacionais às disciplinas de Português e Matemática e os resultados finais foram positivos ao alcançarem uma média de 59% e 54%, respetivamente, numa escala de zero a cem pontos percentuais. Ainda no ensino básico, as médias dos exames do nono ano foram, igualmente, positivas com a disciplina de Português e Matemática a alcançarem a mesmo valor de média, 53% . Em comparação com o ano passado, o resultado de Língua Portuguesa subiu três pontos percentuais e a de Matemática aumentou 10 pontos

As notas dos exames nacionais dos alunos do ensino secundário não foram tão animadoras. Nas quatro provas mais concorridas, aquelas que servem como prova de ingresso no ensino superior, as médias alcançadas foram abaixo dos dez valores. Assim, as provas da primeira fase de Português, Biologia e Geologia, Física e Química A e Matemática A não conseguiram uma média positiva.

O exame de Português não foi além de uma média de 9,5. Apesar da subida, a média continua ainda negativa tendo em conta que no ano passado foi registado o pior resultado final nesta prova em toda a história dos Exames Nacionais, onde os alunos não passaram dos 8,9 valores.

Matemática A continua a ser o carrasco de muitos estudantes e a média mantém-se negativa: a média passou de 9,2 para 8,7, a pior dos últimos seis anos. De notar que este ano, pela primeira vez, os alunos foram obrigados a realizar todos os exames na 1.ª fase, podendo ainda tentar a sua sorte na segunda fase.

As disciplinas necessárias como prova de ingresso aos cursos mais disputados da área da saúde, Biologia e Geologia e Física e Química A, voltaram a registar médias negativas. As médias nos exames deste ano foram, respetivamente, de 9,3 e 7,5. O resultado de Física e Química A acaba por ser o pior das 25 disciplinas sujeitas a exame nacional.

Filosofia também não fugiu à regra e este ano a média nacional foi de 7,8 valores.

As notas divulgadas hoje por todas as escolas do país têm em conta os alunos internos – aqueles que frequentaram as aulas –  e os alunos externos, os que anularam a matrícula e necessitam do exame nacional para a avaliação total da disciplina. A média dos alunos internos é maior que a média total:  Português e Matemática A sobem para a positiva, ambos com 10,4 valores. Biologia e Geologia com 9,8 (com positiva por arredondamento), mas a Física e Química A a média dos alunos internos não foi além dos 8,1, mantendo o valor negativo.

Este ano a época de exames nacionais ficou marcada não só pelas médias negativas daqueles que querem ingressar no Ensino Superior, assim como por algumas complicações a nível de provas e alunos.

Deixe aqui o seu comentario

Loading Facebook Comments ...

Comments

  1. Raquel says

    Não sei porquê, mas já ouvi dizer que a média de filosofia foi de 8 e qualquer coisa e não 7,8 e apesar do resultado negativo, na minha opinião (que tive uma excelente nota no exame), até acho que é um bom resultado, uma vez que o último exame de filosofia que se fez foi em 2007 e que os alunos que o foram fazer este ano não sabiam o que os esperava.

    • Rafaela says

      Também tive uma excelente nota mas fui a única. O resto do pessoal da minha escola tirou negativas muito baixas, por isso é compreensivel que a média seja de 7,8.

  2. Márcia Gomes says

    Continuo a dizer que os exames não avaliam o que o aluno sabe. Nem todos os alunos do país têm excelentes professores e direito a explicações (nem todos temos recursos para tal).
    Os exames nacionais acabam por ser injustos, porque não temos direito aos meus recursos e, como tal, safam-se aqueles que tiveram mais recursos, o que é injusto.
    Relativamente ao exame de biologia, é preciso mencionar que este testa a paciência dos alunos e não outra coisa qualquer. Relativamente ao exame de português, acho vergonhoso descobrir-se que muitos já tinham tido acesso ao conteúdo dos mesmos. Descobriu-se isso agora, mas quantas vezes não terá acontecido? Mais uma contribuição para a injustiça dos exames nacionais.
    Relativamente ao exame de matemática e a média vergonhosa, é de notar que este exame foi feito para o aluno que quer uma nota acima de 18 e não teve em conta todos os outros que precisam de 9,5 para passar. Um aluno mediano não se safava. (Digo isto, mas, por acaso, tive bastante boa nota, simplesmente é injusto o teste não ter exercícios para o aluno que precisa do 10 e dps então exercícios para o aluno de 20).

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Pode usar estas etiquetas HTML e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

No Trackbacks.